O contrato intermitente, ou esporádico, permite que uma empresa admita um funcionário para trabalhar eventualmente e o remunere pelo período de execução deste ofício. Ocorre uma alternância de períodos de prestação de serviços e de inatividade, determinados em horas, dias ou meses.

 

Segundo pesquisa da CNI (Confederação Nacional da Indústria), que ouviu 523 empresas do setor, a porcentagem de fábricas que atuam com esse regime de trabalho é de 15%. Algumas grandes motivações parecem ter sido as incertezas sobre a demanda e a disponibilidade de insumos para as fábricas durante a pandemia de COVID-19. A falta de continuidade dessas atividades favorece essa modalidade de trabalho.

 

Além disso, a entidade destaca que 60% das indústrias, que usam a modalidade, empregaram entre um e dez trabalhadores intermitentes. Outros 11% realizaram de 11 a 20 contratos no regime. Quando se olha a função exercida pelos empregados neste regime, dois em cada três contratados estavam alocados nas operações industriais. Na sequência, aparecem os serviços de conservação e limpeza (20%) e os serviços de transportes (18%).

Para Sylvia Lorena, gerente-executiva de Relações do Trabalho da CNI, este modelo tem permitido a regularização de profissionais que antes estavam na informalidade.

 

Como sua Empresa tem se comportado diante deste cenário? A pandemia tem aumentado sua demanda de produção e venda ou tem reduzido?

 

Para saber mais ou falar sobre limite de crédito, fale com um de nossos especialistas clicando aqui.

 

 



Publicações Relacionadas

Linhas de crédito: qual a ideal para a sua empresa?

Ver mais

Gestão de Riscos e Compliance: Entenda as principais diferenças!

Ver mais

Fluxo de caixa direto e indireto: Conheça as diferenças!

Ver mais

Por que escolher a FAN Capital para antecipar suas vendas?

A escolha ideal para o seu negócio crescer. Ver mais

Notícia: O fim da EIRELI: conheça a nova modalidade SLU.

Ver mais